segunda-feira, 28 de junho de 2010

Raul Seixas

Share on Tumblr


Filho de um engenheiro e de uma dona de casa, Raul Seixas nasceu em Salvador no dia 28 de junho de 1945. Filho mais velho do casal Seixas, Raul tinha apenas um irmão,Plínio. O menino cresceu cercado pelos livros da biblioteca de seu pai, também chamado Raul. Essa deve ser a explicação de uma mente brilhante.

Tudo começou com um objeto normal em qualquer casa de família nos anos 1940. O popular rádio se abria para Raul através da voz de Luiz Gonzaga. Nas estradas que desvendava com o pai via várias vertentes diferentes de cultura. O nordeste, porém, nunca saía dele.

Raul morava próximo ao consulado americano. Esse detalhe seria dispensável se esse não fosse o responsável primeiro contato do menino nordestino com o rock. Fã de Elvis Presley, graças à loja "Cantinho da Música" onde passava horas ouvindo discos de rock, fundou o "Elvis Presley Fã-Clube de Salvador".

Logo Raul se junta aos seus amigos nordestinos e cria "Os Relâmpagos do Rock", seu primeiro contato físico com o rock. O conjunto de Raul é o primeiro de Salvador a utilizar instrumentos elétricos. O sucesso da banda, todavia, não ultrapassava o eixo baiano, o que desapontava muito o conjunto, em especial, Raul. A última gota foi um namoro com a americana Edith Wisner. O pai de Edith era um rígido religioso. Para agradar à família da namorada, Raul abandona a música.

O namoro resultou em casamento. Raul passa a lecionar inglês e violão para ganhar a vida. Mas o mundo dá muitas voltas e a antiga paixão pela música volta com força através do conjunto Raulzito e Os Panteras. O caminho se abre quando Jerry Adriani faz um show em Salvador. Para a abertura do show a produção queria um conjunto local. E lá estão Raulzito e Os Panteras. A performance de Raul impressiona Jerry que o convida para acompanhá-lo em uma turnê pelo Rio de Janeiro. Convite feito, convite aceito. O resultado? Um disco gravado na Odeon.

E assim começa a trilha de sucesso de Raul Seixas. Produtor da CBS, compositor para o jovem guarda e a pós-jovem guarda, participante do Festival Internacional da Canção. Há duas curiosidades praticamente desconhecidas sobre Raul. A primeira é que seu segundo LP foi retirado do mercado por não se enquadrar à linha de atuação da gravadora CBS, da qual ele era produtor, e Raul acabou demitido. A segunda é que, graças ao Festival Internacional da Canção, Raul assinou um contrato com a gravadora Philips e gravou o álbum "Os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock". Só que o nome "Raul Seixas", sequer aparecia na capa.

Na década de 1970 tem seu primeiro contato com Paulo Coelho. No mesmo período faz a música Ouro de Tolo em crítica à ditadura. Torna-se consagrado. Em 1974 cria, em parceria com Paulo Coelho, uma sociedade alternativa. Afinal, quem nunca ouviu a frase: "Faze o que tu queres, há de ser tudo da Lei"? A Sociedade Alternativa passou a ser divulgada através da música de mesmo nome. Paulo e Raul acabam presos pelos militares que consideraram a música um movimento armado contra o governo. Após serem torturados são exilados para os Estados Unidos. Porém o sucesso de "Guita" força os militares a trazerem os dois para o Brasil a fim de não levantar suspeitas. Raul, então, se separa de Edith e vai para os Estados Unidos com a filha Simone.

No ano seguinte casa-se com Gloria Vaquer e grava outro LP. Esse, porém, teve poucas vendas. Em 1976 supera a má vendagem com outro disco e ganha mais uma filha, Scarlet. Mas as coisas começam a desandar. A parceria com Paulo Coelho é desfeita. Os três discos que lança agradam ao público e desagradam a crítica. Nesse período Raul intensifica sua parceria com Cláudio Roberto Andrade de Azevedo.

A partir de 1978 começam seus problemas de saúde devido ao álcool. Separa-se de sua mulher e volta ao Brasil com a filha. Neste ano, conhece Tania Menna Barreto, com quem passa a viver. O relacionamento acaba em 1979 e Raul entra em depressão e ele decide se internar para enfrentar o alcoolismo. Então conhece Kika, sua quarta mulher, com quem tem Vivian, sua outra filha. O relacionamento terminou em 1985.

Sua carreira teve altos e baixos, principalmente devido ao álcool e às drogas. No dia 21 de agosto de 1989,dois dias depois de lançar seu úlimo disco, Raul Seixas morre na cidade de São Paulo por volta das 8 horas da manhã. Raul foi encontrado morto em seu quarto por sua empregada,Dalva. O polêmico mestre do rock nacional era humano, não era um mutante. Como pessoas normais ele foi vítima de uma parada cardíaca. Alcoolismo, diabetes, descuido com o fato de não ter tomado insulina na noite anterior foram a causa de uma pancreatite aguda fulminante.

É penoso pensar que nossos ídolos morrem. Pior ainda é saber que Raul era humano. Suas músicas e seu ritmo calavam qualquer polêmica ou qualquer resquício de ser humano naquele que todos sempre viram como um mutante perfeito. O luto por tê-lo perdido é maior que qualquer coisa e mais eterno que qualquer eternidade. O nosso consolo é que ainda temos a voz dele para ouvir. Basta apertar "play".

4 comentários:

  1. É conforme ele mesmo disse numa música: "os homens passam, as músicas ficam".

    ResponderExcluir
  2. Quando eu era criança o único rock q rolava em casa era Raul Seixas.


    Uma coisa meio TOCA RAUL... rsrsrs...

    ResponderExcluir
  3. Da lhe Raul nunca vai ser esquecido, pela suas musicas, pela sua história por tudo k fez pro nosso rock nacional !*

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo!!!
    posta algo sobre "Os Raimundos"

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar! Sua participação é muito importante!

É de fãs que participam de que o Rock Nacional Precisa!

Só não serão tolerados preconceitos e ofensas a quem quer que seja, pelo bem do Rock Nacional.

Linkwithin













#CAMPANHA @SigaRockBrasil

Desafiamos a todos o fãs de Rock Nacional a se unirem neste espaço democrático e provarem que independente do que a mídia tenta impor, nada substitui o bom e velho Rock Nacional. Siga o blog, divulgue, comente... É muito fácil, até crianças de 12 anos se únem por suas bandas favoritas e dominam a mídia! É, temos que conviver com o fato de que se trancar no quarto e ouvir seus hits não faz o Rock Nacional ganhar mais fãs e, em vez de promovê-lo, ajuda a acabar de matá-lo! Junte-se a nós.