quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

ANIVERSÁRIO DE NANDO REIS: Parabéns, Nando pelos 54 anos de ruivisse!

Share on Tumblr
<---conte da="" do="" postagem---="" sua="">

É o tipo de post bem difícil de fazer... O que mais falar sobre esse cara? Um capricorniano que zerou a vida. Não bastou ser baixista, vocalista e compositor de uma das maiores bandas de rock do Brasil, após sair conseguiu ainda mais popularidade com a banda "Nando Reis e Os Infernais, enquanto isso se tornava um dos compositores mais requisitados por bandas como Jota Quest, Skank, Cidade Negra, entre outros, estando entre os maiores arrecadadores de direitos autorais pelo ECAD, desafiando o mercado nacional. Será que é preciso lembrar que ele foi o produtor responsável pelo auge de Cássia Eller, a nossa garotinha do rock? Resumindo, esse cara merece parabéns não só pelo dia do seu aniversário, mas por seu empenho em fazer músicas com inteligência, originalidade e sem apelar para aparecer. Em nome de todos os seus amigos-fãs, desejamos a você um felicíssimo aniversário e mais 54 décadas de sucesso!!!


Vídeo da música que dá título ao primeiro álbum solo de Nando Reis e Os Infernais, "12 de Janeiro".

P.S: Este mês teremos mais postagens sobre Nando Re is aqui! E muitos outros posts sobre Rock Nacional! Curta nossa página no facebook e compartilhe com pessoas de bom gosto!




sexta-feira, 19 de junho de 2015

EVENTO: Convocação Raulseixista reúne fãs e músicos para celebrar Aniversário de Raul Seixas em São Paulo.

Share on Tumblr


O blog Projeto Backup - especializado no universo do rock nacional -, na mesma data em que volta às suas atividades e entra para o seu sexto ano, apresenta segunda edição do encontro de fãs "Convocação Raulseixista", em tributo aos 10.070 anos de Raul Seixas. Vamos repetir o sucesso do ano passado!

Clique nesta legenda e confirme sua presença no Envento! #OsBonsNuncaMorremIII


Trata-se de um pequeno encontro de grandes fãs para cantar e tocar ao ar livre e desplugado, celebrando e promovendo a obra do grande ícone do Rock Brasileiro, Raul Seixas. O encontro acontece dia 28 de Junho de 2015, às 16h, na Praça Pôr do Sol, Alto de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. A entrada é gratuita.

Todos estão convidados a trazerem suas vozes, instrumentos e cifras para cantar, tocar junto seus hits preferidos de Raul Seixas e vivenciar esta vibe positiva de arte, natureza e amizade. Músicos amadores e profissionais devem chegar com 1h de antecedência para receber instruções.

A "Convocação Raulseixista" divulga o projeto "Pai do Rock Tributo" e é parte dos encontros de fãs "Os Bons Nunca Morrem", que tem como prioridade celebrar e promover a obra de artistas do Rock Nacional dos anos '80/'90 que não estão mais entre nós, como Cássia Eller, Cazuza, Raul Seixas e Renato Russo.

Venha conhecer mais um dos trabalhos promovidos pelo cantor, compositor e produtor, Renato Zuza e sua banda "A Galerinha do Maaal!".

sábado, 11 de outubro de 2014

18 ANOS SEM RENATO RUSSO: 18 curiosidades sobre o ídolo do Rock Brasileiro.

Share on Tumblr

11 de Outubro de 2014. 18 anos sem o Trovador Solitário. Separamos 18 curiosidades sobre ele e sua obra. Umas já bem conhecidas, outras mais originais. Confira abaixo:

1 - O Filme baseado na música Faroeste Caboclo, de Renato Russo, da Legião Urbana, venceu a 13ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro: Clique aqui e veja a matéria completa;


2 - Renato Russo ganha a primeira tese de doutorado que o defende como escritor: Clique aqui e veja a matéria completa;

3 - Eduardo e Mônica ganhará versão para Cinema com direção de René Sampaio, que dirigiu anteriormente Faroeste caboclo: Clique aqui e veja a matéria completa

4 - 14ª Feira Cultural LGBT homenageou Renato Russo em 2014: Clique aqui e veja a matéria completa;

5- Encontro de fãs comemorou os aniversários de Renato Russo e de Cazuza em São Paulo: Clique aqui e veja a matéria completa;


6- O filme "Faroeste Caboclo" ganhou prêmio internacional de melhor direção em Dallas - USA: Clique aqui e veja a matéria completa;


7- Músicas da Legião Urbana fazem parte do projeto instrumental infantil "Rock Your babies", projeto da banda Biquini Cavadão: Clique aqui e veja a matéria completa;

8- A música "Índios" do álbum "Dois" estava pronta para ser instrumental, mas a letra foi gravada pouco antes de finalizar o disco: Clique aqui e veja a matéria completa;

9- A música "1° de Julho" do álbum "A tempestade", foi feita para Cássia Eller e fala sobre a maternidade: Clique aqui e veja a matéria completa;

10 - Renato Russo ficou na 30ª colocado no programa de televisão do SBT, "O Maior Brasileiro de Todos Os Tempos: Clique aqui e veja a matéria completa;

11 - Banda de Rock que mais vendeu álbuns, ficando entre os 11 álbuns mais vendidos no Brasil: wikipedia;


12- "The Stonewall Celebration Concert", primeiro álbum solo de Renato Russo traz em seu encarte informações de vinte e nove entidades sociais, entre as quais o Grupo Gay da Bahia, ISER, Greenpeace, Sociedade Viva Cazuza e ABIA. Parte dos royalties foi doada a campanha de Betinho – Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida;

13- Renato Russo era do signo de Áries, o mesmo de Cazuza;



14 - A Legião Urbana gravou faixas instrumentais "A Ordem dos Templários", "Come Share My Life", "O Passeio da Boa Vista" e "Sagrado Coração";



15 - A letra de "Sagrado Coração" consta no encarte do disco póstumo "Uma Outra Estação", mas a voz não chegou a ser gravada por Renato Russo;


16 - Segundo Carlos Trilha, produtor musical e pianista, a faixa "Dezesseis" do álbum "A Tempestade", originalmente teve uma versão em inglês, mas depois foi gravada em português e a versão em inglês não foi mais encontrada até hoje;

17- Segundo Renato Russo em entrevista a Serginho Groisman, no Programa Livre do SBT, o melhor álbum da Legião Urbana, com as melhores letras, é o V;

18- A frase "Urbana Legio Omnia Vincit" (A Legião Urbana vence a tudo) está em todos os álbuns, exceto em "A Tempestade", o último, que faz alusão à última obra de Shakespeare, pois Renato Russo sabia que seria o seu último disco. A frase em Latim era lema da Legião Romana: "Romana Legio Omnia Vincit", por sua vez, derivada de ditados populares como "Labor Omnia Vincit" ou "Amor Omnia Vincit".


Compartilhe Rock nacional.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

CINEMA: Filme baseado na música Faroeste Caboclo, de Renato Russo, da Legião Urbana, ganha prêmio nacional

Share on Tumblr
'Faroeste Caboclo' é eleito melhor filme em prêmio nacional


O longa "Faroeste Caboclo" foi o maior vencedor na cerimônia da 13ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, que aconteceu na última terça-feira (26), no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

O filme de René Sampaio, baseado em canção homônima do Legião Urbana, foi premiado em sete das 13 categorias nas quais concorria, incluindo melhor longa-metragem de ficção, melhor ator para Fabrício Boliveira e melhor roteiro adaptado para Marcos Bernstein e Victor Atherino. Sampaio pretende levar agora para as telas outra música do Legião Urbana, "Eduardo e Mônica", repetindo a parceria feita em "Faroeste" com a Gávea Filmes e Produções.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

NOTÍCIA: Nando Reis comemora 25 mil cópias vendidas de seu DVD independente "Sei", e 1 ano sem bebidas e sem drogas.

Share on Tumblr

Nando Reis: "Não quero mais viver numa barra pesada" - Edição 724 (25/07/2014)

Fonte:Revista Quem

Um dos grandes nomes da música brasileira, Nando Reis comemora as 25 mil cópias vendidas do DVD Sei Como Foi em BH, que ele lançou de forma independente. Há mais de um ano sem beber nem usar drogas, o ex-Titã afirma estar vivendo uma boa fase: “Estou feliz da vida”.  

Editora Globo (Foto: Editora Globo)No segundo semestre de 2011, Nando Reis, 51, ouviu da Universal, sua então gravadora, que não teria seu contrato renovado. Sem o apoio de uma grande empresa do mercado fonográfico, ele partiu, então, para seus primeiros trabalhos independentes. Lançou o álbum Sei, em setembro de 2012, e o DVD Sei Como Foi em BH, no final do ano passado, trabalho que alcançou a marca das 25 mil cópias vendidas. “É muito bom chegar a esse número, existem muitas maneiras de se lançar um trabalho, fui atrás do meu próprio modo”, diz.


Em entrevista, Nando lembra que ouviu do presidente da gravadora que ele não vendia discos, apesar de ser um dos compositores mais gravados no país, segundo ranking do Ecad, órgão que regula os direitos autorais no Brasil. “Sou popular como compositor, não como artista”, explica. Pai de Theodoro, 28 anos, Sophia, 26, Sebastião, 19, e Zoe, 14, de seu casamento com a psicóloga Vânia Reis, sua atual mulher, e de Ismael, 8, de seu relacionamento com Nani, que ele conheceu durante os oito anos em que ficou afastado de Vânia, entre 2002 e 2010. Ele afirma que admira os filhos e assume que foi difícil para eles ver o pai dependente de drogas, assunto sobre o qual fala sem reservas. “A vida às vezes é um saco. Dá vontade de tomar um uísque”, afirma o músico, há mais de um ano sóbrio.

QUEM: O DVD Sei Como Foi em BH alcançou 25 mil cópias. O saldo de ter se tornado independente é positivo, afinal?

NANDO REIS: Acho isso ótimo. É uma dificuldade vender discos e DVDs aqui, é frustrante você fazer um disco como Sei, que é um dos que mais gosto, e as vendas não serem uma coisa do outro mundo... Fico feliz com essa marca, eu sempre quero chamar atenção para o meu trabalho.

QUEM: Por que decidiu ficar sem gravadora?

NR: Não decidi, a minha gravadora antiga decidiu. O presidente chegou e falou: “Não vou renovar porque você não dá lucro”. Fiquei surpreso, mas não estava desavisado. Sei como as coisas funcionam e vi o colapso da indústria fonográfica, sabia das minhas vendas. Minha crítica é sobre essa situação a que a gravadora chegou. A indústria não soube o que fazer com a chegada da internet.


QUEM: Parece um contrassenso. Você é um dos dez compositores mais gravados, segundo o ECAD.

NR: Também acho. Sou um autor gravado por outros artistas. Por isso, as pessoas talvez ainda não identifiquem que eu sou autor da minha própria obra. É curiosa minha situação de ser um autor muito popular e um artista não tanto.

QUEM: Foi difícil ouvir que não vendia?

NR: Não é uma coisa agradável de se ouvir. A indústria precisa do lucro. Mas, na minha cabeça, a riqueza tem outros valores, como a qualidade de um catálogo. Isso é tão importante quanto um artista que enche cofres, aparece e some. Por coisas como essas, a indústria se f*, então quero que ela se f*.

QUEM: Nessa fase, bateu arrependimento de ter saído dos Titãs, em 2002?

NR: Em nenhum momento. Eu sempre soube a diferença que seria sair de uma banda que falava para dezenas de milhares e depois falar para unidades. Foi a hora certa, se eu demorasse mais dez anos para tomar aquela decisão, não tomaria. Tenho arrependimento das idiotices que falei, das declarações desnecessárias de ambas as partes. Hoje em dia está tudo ótimo.

QUEM: O que aconteceu na época?

NR: Eu tinha uma ideia diferente deles do que íamos fazer com a banda, eu queria mais espaçamento para realizar trabalhos individuais. Uma banda tem uma dinâmica que é em função de decisões democráticas. O que o grupo decidir, todo mundo precisa acatar. E eu não queria fazer o que tinha sido decidido: gravar um disco depois daquela turnê, que vinha logo depois da morte do Marcelo Fromer e da Cássia Eller. Não posso me arrepender porque era uma coisa fundamental para a própria banda. Em um grupo, um cara que fica lutando contra atrapalha.

QUEM: A morte da Cássia Eller e do Marcelo Fromer tiveram a ver com a sua decisão, então?

NR: Foram determinantes pra que eu não quisesse adiar mais nada, porque vi que a morte pega a gente ali na esquina. Dentro do Titãs, o Marcelo era com quem eu falava todos os dias. Seis meses depois, perdi a minha grande parceira musical. Queria dar um tempo. Tinha gravado três discos solo e nunca tive tempo de divulgar por causa da agenda dos Titãs. Pensei: “Vou esperar mais o quê? Não vou deixar meu sonho arquivado numa prateleira”. Deixei a banda e decidi começar tudo de novo.

QUEM: Em entrevistas, você nunca escondeu sua relação com as drogas. Elas foram um problema para você?

NR: Tenho problemas com todas as coisas e expus parte deles. E já que expus, não tenho por que esconder mais. Ao mesmo tempo, sou um artista que fica com essa associação permanente.

QUEM: Você está sóbrio há quanto tempo?

NR: Estou há um ano e quatro meses sem álcool. Não gosto de usar a expressão limpo porque parece que a outra vida era suja. Minha vida mudou bastante. Bebi muito, era um bebedor pesado, era alcoólatra, alcoólico... da maneira que as pessoas quiserem denominar. E isso chegou a me dar uma gastura, chegou mesmo a comprometer um monte de outras coisas na minha vida. Sempre gostei de drogas, entre elas a cocaína. As duas coisas tiveram seu momento na minha vida e foram tão excessivas que derramaram e viraram públicas.

QUEM: Como está agora?

NR: Estou bem, feliz da vida, descobrindo coisas que, nos anos de tanta loucura, me passaram despercebidas. Há uma diferença muito grande na forma de raciocinar. Há um outro dado que é o desgaste do corpo. E hoje tenho 51 anos. Gostaria de beber, fumar, cheirar, jogar futebol, trepar oito vezes por minuto como fazia quando era jovem, mas o corpo muda, não é a mesma coisa. Não há como dizer que a vida saudável não tem seus benefícios. Nos anos de loucura, vivi abstêmio de muitas coisas.

QUEM: Abstêmio de quê?

NR: Acho que as relações afetivas, as relações familiares, ficaram comprometidas. Não é que eu tomasse um uisquinho, eu tomava uma garrafa inteira, cheirava a noite inteira. Não sou um cara de meio termo, gosto das coisas intensas. Acho admirável quem toma uma tacinha de vinho para jantar. Não vou dizer que nunca mais vou beber ou cheirar, isso não interessa. Estou num período de abstinência e, sinceramente, não quero mais viver numa barra pesada como foram os meus últimos anos.

QUEM: Quando decidiu parar?

NR: No dia em que minha mulher disse que não dava mais, que estava muito difícil. Perguntou por que não experimentava ficar sem beber. Eu, que achava uma coisa impossível, falei: “É verdade”.

QUEM: Parou sozinho com tudo?

NR: Claro que tenho ajuda. Tenho psiquiatra, tomo medicação e tudo mais. A própria decisão veio muito de ouvir a minha mulher e ver os meus filhos de saco cheio da minha forma de ser. Vi que não estava bom. Por outro lado, eu é que decidi. Não é que esteja proibido de beber: não quero beber.

QUEM: Muitos artistas dizem que a droga ajuda no processo de criação. É verdade?

NR: Sempre trabalhei brilhantemente sob o efeito da cocaína, sempre gostei. Agora, não foi o pó que me fez. Continuo compondo. Não mudou nada. Há questões de inibição, de excesso de autocrítica, a vida na estrada, depois de um show pegar um uísque e uma peteca de pó...

QUEM: Era uma forma de conter a inibição em show?

NR: Sim, sempre foi. Você fica em pânico, tem medo. Por outro lado, tem ambição, uma vaidade, todos os desafios... Sem dúvida nenhuma, tecnicamente, a lucidez e a sobriedade são muito melhores.

QUEM: Você fala bastante da sua mulher, a Vânia, de quem se separou por um tempo e com quem voltou a se casar. Como foi isso?

NR: Foi ótimo. Conheço a Vânia desde os 15 anos e sempre fui apaixonado por ela. Minha história de vida com ela vai muito além do casamento. A nossa união é tão forte e tão intensa que, mesmo nos anos da separação, nos falávamos quase diariamente. Não havia um lugar lindo em que eu fosse que eu não pensasse nela e não tivesse vontade de estar com ela. E isso mesmo estando apaixonado e envolvido com outras mulheres.



QUEM: Vocês moram em casas separadas?

NR: Sim, mas isso é bobagem. É consequência da vida que tínhamos ao nos reencontrarmos: eu tinha uma casa e ela outra, a minha abrigava muita coisa. Mas passo toda noite com ela, durmo com ela. Brincamos que a casa dela é da cidade e a minha, de campo.

QUEM: Como é o Nando pai?

NR: Acho que sou um bom pai. Claro, tenho falhas, impaciência... Provavelmente, quando bebia muito, devo ter sido chato demais. Admiro meus filhos, gosto da paternidade. Mas sei que os filhos vão crescer e vão ter as próprias vidas, então a minha vida é com a Vânia.

QUEM: Você fala tudo com eles?

NR: Não, tem coisa que não precisa falar. Não é hipocrisia, é adequação de temas a idades. Trato de drogas com eles, mas como falar para o meu filho de 8 anos: “Filho, papai cheirava cocaína”? Tem coisas que são tão espinhosas e que não têm a ver com drogas. A fama enche o saco dos meus filhos.

QUEM: Qual a diferença entre ser pai e avô?

NR: Não sou deslumbrado com isso nem me sinto mais velho. Adoro minha neta (Luzia, de 4 anos, filha de Theodoro). Há uma diferença de 22 anos e de ver meu filho se tornar pai, passando por todas as durezas: “Marvin, agora é só você (diz, citando o sucesso “Marvin”, dos Titãs, de 1984)!”


Linkwithin













#CAMPANHA @SigaRockBrasil

Desafiamos a todos o fãs de Rock Nacional a se unirem neste espaço democrático e provarem que independente do que a mídia tenta impor, nada substitui o bom e velho Rock Nacional. Siga o blog, divulgue, comente... É muito fácil, até crianças de 12 anos se únem por suas bandas favoritas e dominam a mídia! É, temos que conviver com o fato de que se trancar no quarto e ouvir seus hits não faz o Rock Nacional ganhar mais fãs e, em vez de promovê-lo, ajuda a acabar de matá-lo! Junte-se a nós.